TOP 5 // Atualizando a meta do Desafio 2016

Hey pessoal!
No começo do ano eu fiz um TOP 5 com livros que eu com certeza leria em 2016 e estou bem feliz com o resultado. Ainda não li todos, mas os que faltam já estão encaminhados, então eu resolvi fazer mais uma lista dessa ainda no início do segundo semestre e, assim, complementar minha meta de 2016.

Os cinco livros escolhidos são esses:


Entre o agora e o nunca (J. A. Redmerski)
Este é um New Adult que está em todas as listas pela internet e eu quero ler há muito tempo. Agora que tenho na minha estante, não há mais desculpas para adiar a leitura. Como estou num clima de ler livros leves e rapidinhos, acredito que vou gostar muito! (Apesar de já ter ouvido coisas bem ruins sobre ele).

Outro dia (David Levithan)
Depois de ler e me apaixonar por Todo Dia, Outro Dia é leitura obrigatória! Eu gostei muito do jeito como o David Levithan desenvolveu a história, adorei os personagens e queria muito uma continuação. Acho que conhecer a história pela perspectiva da Rhiannon vai ser bem interessante! Estou ansiosa para uma promoção bem boa para eu poder comprar. hehe

Para sempre minha (Abbi Glines)
Eu sempre vejo as capas e sinopses dos milhões de livros dessa serie e nunca me interessei de verdade por nenhum deles. Porém, a primeira vez que vi a capa de Pra sempre minha me encantei. Não sei dizer porquê, mas eu preciso muito ler esse livro! Sinto que vou gostar demais. Ainda bem que é um livro isolado da serie e que pode ser lido separadamente.




Veneno (Sarah Pinborough)
Quase morri quando li em uma resenha sobre essa serie que existia uma personagem com o meu nome! Desde então a trilogia está na minha lista de desejados, porque não é em qualquer livro que eu encontro uma personagem chamada Petra, né?! Esse ano eu finalmente consegui comprar os livros, então agora é só ler. (Parece que a tal personagem só aparece no último livro ¬¬).

Will & Will (John Green e David Levithan)
Ganhei esse livro já faz um tempinho e fiquei super empolgada. Mas por causa de outras leituras acabei deixando ele de lado. A escrita do John Green me atrai muito e acredito que essa parceria com o Levithan deva ter ficado ótima! Enfim, é mais um livro que está parado na minha estante e que precisa ser lido logo!

#ProjetoDeLeitura - Os Miseráveis (Tomo 2 - Cosette)












Hey! Mais uma vez estou aqui para falar sobre as minhas impressões da leitura de Os Miseráveis. Desta vez é sobre o Tomo 2, Cosette.

Bom, esse segundo tomo começa com Victor Hugo narrando acontecimentos da Batalha de Waterloo, no ano de 1815, o que eu achei interessante, porém um pouco chato, porque é uma parte bem longa e que acabou 'cortando' a história que estava se desenvolvendo. O autor é bem minucioso nessa parte e descreve muito bem o cenário da batalha que culminou com a derrota de Napoleão Bonaparte.

Ao final dessa descrição, Victor Hugo nos conta um pouco da participação do Sr. Thénardier na batalha, nos trazendo de volta aos personagens. Então, temos novamente Jean Valjean preso e fugindo do cárcere. Desta vez ele vai atrás de Cosette, em Montfermeil. É Natal e a menina está com 8 anos, ela sonha com os brinquedos que não pode ter, por passar o tempo todo cumprindo ordens de Mme. Thénardier.

Valjean encontra Cosette em um bosque escuro, a noite, quando a menina vai buscar água para a taverna. Ela está morrendo de medo, porém, quando uma mão desconhecida lhe oferece ajuda com o balde pesado, ela não se assusta. Os dois voltam para a taverna e depois de alguns conflitos com os Thénardier, Jean Valjean acaba levando Cosette embora.

Num primeiro momento os dois se escondem em um casebre bem precário em Paris, até que Jean Valjean percebe que Javert os encontrou novamente. Para fugir, os dois saem em fuga pelas ruas de Paris numa perseguição atormentadora que só tem fim quando eles conseguem pular o muro de um convento. É neste convento que Cosette e Jean Valjean vão passar os próximos anos. Ele como ajudante de jardineiro e ela como aluna.

Apesar de todos os momentos assombrosos desse tomo, Victor Hugo traz muito sentimento para a história, principalmente na relação entre Cosette e Jean Valjean. É muito legal ver como os dois se transformam juntos e como eles constroem uma relação de amor real. Em certo momento do texto, o autor chega a falar que a entrada de Jean Valjean na vida de Cosette é como a entrada de Deus, de tão importante que esse momento é.

As informações sobre acontecimentos e lugares reais que Victor Hugo coloca na narrativa tornam o livro muito verdadeiro. Parece que tudo aquilo que você está lendo, realmente aconteceu e, às vezes, você até esquece que está lendo um livro de ficção. Victor Hugo é incrível!! :)


Se você quiser saber mais sobre esse projeto, clique aqui.

Reblogando #15

Hey pessoal! Tudo bem?
Depois de muitos meses sem indicar nenhum link legal aqui, eu voltei! E o link que eu trouxe hoje é maravilhoso!

Sabe quando você quer iniciar uma nova leitura, mas não tem ideia de qual livro pegar? Seus problemas acabaram! O Book4You é um site muito incrível, feito exatamente pra esses momentos.

Ele foi lançado em 2015 e é conhecido com o Tinder dos livros. Funciona assim: Você seleciona uma categoria e ele te mostra sinopses de livros para você decidir se gosta ou não. Caso você goste, o site mostra o nome do livro e alguns sites onde você o encontra para comprar. Não é legal?

Eu achei perfeito, porque vivo indecisa e procurando novos livros pra adicionar na lista de desejados!

Para conhecer o site, é só clicar na imagem abaixo!


#DesafioJaneAusten - Razão e Sensibilidade


Mais um livro lindinho da Jane Austen! Razão e Sensibilidade é o segundo livro da autora que eu leio, porém foi o primeiro a ser publicado, em 1811. Nesse romance, Austen conta a história de Elinor e Marianne Dashwood, que após a morte de seu pai, têm suas vidas mudadas, pois todas as propriedades da família passam para o nome do seu meio-irmão John, filho do primeiro casamento do Sr. Dashwood. O problema é que John não cumpre a promessa feita ao pai, ele deixa de sustentar suas irmãs, fazendo com que elas optem por procurar outra residência.

No meio dessa dificuldade financeira, Jane Austen não podia deixar de encaixar um belo romance. E, neste caso, temos romance em dose dupla! Enquanto Marianne tem uma paixão fervorosa por Willoughby, Elinor nutre um amor contido por Edward. Porém, elas passam por desilusões com seus amados, que vão provocar reviravoltas emocionantes na história.

Mais uma vez me senti muito envolvida com a escrita de Jane Austen. Obviamente que não é uma leitura ágil, mas é impressionante como a autora brinca com as palavras. A proposta do título, de contrapor a razão e a sensibilidade, é muito bem trabalhada. Elinor e Marianne são muito diferentes e representam claramente os dois lados.

Outro fato que chama muito a atenção é a ironia da autora em relação aos costumes da época. Ela fala de uma sociedade do século XIX, que se importava sobretudo com o status social e com as finanças, onde os relacionamentos eram construídos com base nesses valores. Se pararmos para pensar, não estamos muito longe disso agora, no século XXI, né?

Enfim, Razão e Sensibilidade foi uma leitura ótima e repleta de reflexões.

Vs.

Quanto a adaptação, de 1995, só posso dizer que é perfeita! *-* O roteiro é excelente e conseguiu passar pras telas exatamente o que o livro quer (ponto para a atriz Emma Thompson, que escreveu o roteiro e que também interpreta a Elinor no filme). Os cenários são espetaculares, os figurinos muito muito lindos! Eu fico impressionada como as obras da Jane Austen são tão bem adaptadas para o cinema.

Os atores estão muito bem também. Em alguns momentos me incomodei um pouco com os estereótipos, mas só depois entendi que esse fato fez ficar muito mais intensa a ironia da história, que eu comentei ali em cima.

Para aqueles que não leram o livro, não há problema algum de entendimento, pois tudo acaba ficando bem explicado. Claro que aqueles que já leram, vão perceber alguns pontos a mais, como algumas explicações do final, mas vale muito a pena! É um filme encantador, que traz um romance diferente dos filmes mais atuais.

Página #38 - O despertar (L. J. Smith)


O despertar
L. J. Smith
Diários do Vampiro - Livro 1
Editora Galera Record
240p.
Skoob | Orelha de Livro

Texto beeem atrasado, mas vamos lá... Li O Despertar no ano passado, para o Desafio Literário 2015 e foi, na verdade, uma releitura. A primeira leitura foi em 2013, devido ao meu interesse pela série de TV com mesmo nome. Desde já adianto que não tenho pretensão nenhuma de comparar os dois, porque acho que as divergências fizeram o livro e a serie se tornarem duas coisas completamente diferentes e sem comparação.

O Despertar se passa em Fell Church, uma cidade pequena dos EUA e tem como protagonistas Stefan e Damon Salvatore e Elena Gilbert. Elena é uma típica garota popular, insuportável e fútil, que está com sua auto-estima um pouco abalada depois da perda dos pais. Ela se apaixona loucamente por Stefan assim que o vê pela primeira vez na escola. Stefan é misterioso e conquista o coração de várias garotas.

Depois de muito insistir com sua obsessão, Elena consegue ficar com Stefan e acaba descobrindo o segredo que o torna tão misterioso. Stefan é um vampiro de centenas de anos e está na cidade para esquecer o passado e dar início a uma nova vida. O que não acontece, já que Elena é a cópia idêntica de sua antiga namorada.

Coincidentemente, após a chegada de Stefan na cidade acontecimentos sombrios passam a acontecer, tornando-o o principal suspeito. Diante disso, o romance dos dois fica abalado, piorando ainda mais com a chegada de Damon, o irmão de Stefan e seu maior rival, que aparece com sede de vingança.

Nos dois momentos a leitura foi extremamente rápida (acho que li em dois dias) e bem gostosa. A escrita da autora é bem simples, vai direto ao ponto e, em vários momentos, segue a linha do clichêzão. O Despertar é meio que a introdução da serie, por isso não é de se esperar muito. Os acontecimentos são bem poucos e quando você vê, o livro já acabou.

No início da leitura minhas expectativas estavam lá em cima, mas depois de algumas páginas eu percebi que se eu não relaxasse um pouco, iria me decepcionar muito. Por essa razão meu conselho é: Se você quer muito ler, vá sem expectativa nenhuma, divirta-se com a leitura, porque o livro não acrescenta muito não. É mais para passar o tempo mesmo.

Meu último comentário é sobre a edição da Galera Record (aquela do box baratinho). Simplesmente horrorosa!! Não recomendo nem um pouco, se bem que eu nem sei se existe outra edição disponível. Tem muuuuitos erros. E quando eu digo muitos, é porque são muitos mesmo! Isso foi o que mais me incomodou na leitura. Eu sei que a edição é econômica, mas também não precisa ser tão econômica assim, né Galera!? 

TOP 5 - Livros para ler no inverno

O inverno está chegando e é, talvez, minha estação do ano favorita. Eu adoro o frio, o jeito como as pessoas se vestem e o clima de aconchego! Por isso hoje resolvi trazer aqui 5 livros gostosinhos de ler. Daqueles que dá pra ler em um final de semana, debaixo das cobertas e com uma caneca de chá quentinho do lado!



A probabilidade estatistica do amor a primeira vista
Este é um romance suuuper rapidinho de ler. Quando você começa a gostar da história, já acabou! É uma história fofa, delicada e simples. Tudo se passa em 24 horas e quando nos damos conta, já estamos suspirando! Já escrevi sobre ele aqui no blog, pra saber mais é só clicar aqui.

Jardim de Inverno
Ao contrário do anterior, Jardim de Inverno é uma leitura mais densa, mas que também combina muito com o inverno, haja visto o título! A narrativa lenta tem o seu propósito, então não se desespere, porque vale muito a pena! Também já tem texto aqui no blog falando sobre ele (clique aqui).

As crônicas de Nárnia
Esse livro é um favorito da vida! Ele combina com qualquer época do ano, mas com certeza encaixa perfeitamente com um cobertor e um cházinho. O clima de fantasia dele é perfeito pro frio, fora que dá uma super vontade de entrar junto com a Lucia por aquele guarda-roupas só para brincar um pouquinho na neve. Tem texto do Trilha Sonora aqui falando um pouco mais sobre o livro.

Ponto de impacto
Dan Brown é mestre quando o assunto é enigmas e esse não podia ser diferente. Somado a isso está o clima gélido do Ártico e mais uma vez temos uma história de tirar o fôlego! O livro é cheeio de reviravoltas e te prende do início ao fim.

Só por hoje e para sempre
Essa foi uma leitura bem recente minha e eu tenho indicado pra todo mundo. É perfeito pra quem gosta de música e ainda mais perfeito pra quem é fã de Renato Russo. Não é uma biografia comum, pois fala de um momento bem complicado da vida do cantor. Emfim... também vale super pra um dia friozinho!

Páginas Vs Frames - Convergente

Convergente é o último livro da trilogia Divergente e dá continuidade aos eventos do livro anterior, Insurgente.
Após a divulgação do vídeo de Edith Prior e a queda do governo de Jeanine Matthews, a situação em Chicago fica um pouco atribulada. Um grupo denominado Os Leais se forma, buscando seguir as ordens de Edith e enviar Divergentes para fora da cerca. E como não podia deixar de ser, Tris e Quatro embarcam nessa, juntamente com alguns companheiros.

Chegando do lado de fora, eles se descobrem como elementos de uma sociedade ainda maior e com algumas peculiaridades. É aí que eles entendem o que significa realmente ser um divergente e como funciona toda a sociedade em que viviam até então.

É claro que essas informações todas não os deixam confortáveis, afinal estamos falando de uma trilogia distópica contemporânea, por isso, depois de todas as descobertas, surge um novo problema a ser resolvido na história.

O livro é narrado por Tris e Quatro, com capítulos alternados (e ainda bem que eles são identificados no início de cada capítulo, porque eu me confundi trocentas mil vezes! Ponto negativo para a narrativa, que não deixava claro quem era um e quem era outro). Para mim a personagem Tris deu um salto com relação ao seu desenvolvimento nesse livro. Apesar de ser um pouco arrogante em alguns momentos, ela agiu de maneira bastante inteligente, ao contrário de Quatro, que só fez cagada nessa história. Ele só fez a coisa certa já no finzinho do livro, quando já não tinha mais muito o que acontecer.

E falando em final... Que final é esse, minha gente? Ma-ra-vi-lho-so! Apesar de ser um 'felizes para sempre', achei super justo.

Vs.

E o filme? Pois então... na minha opinião o filme é bem ruim, viu? Ele tá longe de ser uma adaptação (mas isso nós já havíamos percebido desde Insurgente, né?) e deixou a desejar até como filme baseado na história original.

Mesmo assim, eu fui ao cinema curiosa, querendo saber qual o caminho que a história ia seguir e ainda assim não consegui me convencer. Digamos que beeeeem lá no fundo a essência da história é a mesma (o que já é melhor que Insurgente), mas pra mim as mudanças foram muitas e não funcionou. Eu só não saí mais decepcionada do cinema porque já havia me decepcionado o suficiente com o filme anterior.

Pra quem não leu os livros e gosta de tecnologia, acredito que seja um bom filme, mas se você pensar como leitor e fã da serie, vai perceber que tem tanta coisa que não faz sentido nenhum!! A tecnologia do Departamento de Auxílio Genético quase me fez gargalhar. Qual a necessidade daquelas bolhas? E aquele banho? Viajaram legal! Está tudo futurístico demais e eu sinceramente não sei o que vão fazer com Ascendente, porque 85% da história do livro já foi contada.

Enfim, como já era de se esperar, levaram a história pra um lado completamente diferente dos livros. Mas o que podemos fazer, né?
 
Voltar ao topo